Empresário mandou matar adolescente de 16 anos e ajudou enterrar o corpo da jovem em MT

Acusado diz que se arrepende de ter ajudado a enterrar corpo de adolescente de 16 anos

Carlos Alexandre da Silva Nunes alegou durante o Tribunal do Júri nesta quinta-feira (23) que se arrepende de ter ajudado a enterrar o corpo da adolescente Maiana Mariano Vilela, de 16 anos, em dezembro de 2011. A menor foi morta asfixiada a mando do namorado, um empresário condenado pelo crime, e teve o corpo enterrado em uma cova rasa no Coxipó do Ouro, em Cuiabá.

 

Segundo Carlos, ele usou uma picareta, enxada e uma pá para conseguir enterrar o corpo da jovem.

“Eu ajudei a carregar mas eu me arrependo até hoje. Não foi eu que matei, não tem nada criminal na minha ficha. Hoje eu trabalho, ajudo até a polícia.  Ela estava de calça comprida e camisa.  A moto eu “acabei” com ela, deixei em um lugar para outros pegarem”, disse ele.

O acusado passa por um novo julgamento nesta quinta-feira após ter a sentença anulada a pedido do Ministério Público (MPMT). Em 2016, ele chegou a ser condenado a um ano e seis meses em regime aberto.

À época, os demais envolvidos no crime também foram condenados. O empresário Rogério da Silva Amorim, com quem Maiana tinha um caso amoroso, foi sentenciado a 20 anos e 3 meses em regime fechado como mandante do crime e por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, recompensa e meio que dificultou a defesa da vítima).

No entanto, cinco dias após a sentença, o mandante do crime, Rogério, foi colocado em liberdade.  Já Paulo Ferreira Martins, de 44 anos, que confessou ter asfixiado a adolescente, foi condenado a 18 anos e 9 meses por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver, também em regime fechado.

Carlos Alexandre da Silva e Paulo Martins confirmaram que receberam R$ 5 mil de Rogério Amorim para matar Maiana. Eles levaram a adolescente até uma chácara no Coxipó do Ouro e, lá, a esganaram, colocaram o corpo em um saco plástico e enterraram em uma cova.

ENTENDA O CASO

Tudo começou no dia 21 de dezembro de 2011, quando Suely Mariano Vilela, mãe de Maiana Mariano Vilela, que estava em viagem para o Paraná, recebeu um telefonema de Rogério Amorim, condenado por ser mandate, dizendo que a sua filha estava fora de casa há mais de 24h e ninguém sabia do paradeiro da adolescente.

Suely veio para Cuiabá e começou uma ‘caçada’ por sua filha que demorou cinco meses. O que mais chamou atenção em todo esse tempo era que Rogério ajudava nas buscas, inclusive, dizendo que ela poderia estar em São Paulo.

Entretanto, em maio de 2012, a Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) concluiu que Rogério mandou matar Maiana porque não estava suportando dois relacionamentos. “A pressão na mente dele foi tanta que ele decidiu torar a vida dela. A esposa de Rogério descobriu e pediu pra ele acabar com isso e Maiana não era fácil de soltar. Queria moto, roupas e outras coisas caras”, disse a delegada Anaíde Barros, que à época investigou o crime.

Testemunhas afirmaram que Maiana desapareceu quando Rogério pediu para ela trocar um cheque para pagar um funcionário da sua chácara.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Artigo anteriorHomem leva tiro no rosto em tentativa de sequestro em tabacaria em MT
Próximo artigoArrecadação de tributos federais cresce 4,13% para R$ 165,3 bi em maio