Bandido é condenado a 22 anos de prisão por matar e esconder corpo da ex

Izomauro Alves de Andrade foi condenado a 22 anos e quatro meses pelo feminicídio e ocultação de cadáver da estudante de Direito, Lucimar Fernandes Aragão.

 

CURTA NOSSA FANPAGE NO FACEBOOK – CLIQUE AQUI

Por – O criminoso Izomauro Alves de Andrade foi condenado a 22 anos e quatro meses de prisão pelo feminicídio e ocultação de cadáver da estudante de Direito, Lucimar Fernandes Aragão, de 40 anos. Os dois mantinham um relacionamento conturbado na época.

O crime ocorreu em maio de 2020, em Cuiabá. Até hoje, o corpo da vítima nunca foi localizado. O julgamento, presidido pela juíza Mônica Catarina Perri Siqueira, foi realizado na terça-feira (26), com condenação da pena em regime fechado.

As investigações da Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHP) perduraram mais de seis meses e incluíram diversas diligências, análise de informações, depoimentos, buscas e escavações para apurar o desaparecimento de Lucimar, sendo concluído que a estudante de direito foi morta pelo ex-companheiro, de 39 anos, que ocultou seu corpo após o crime.

O delegado Fausto Freitas, responsável pela conclusão do inquérito, destacou que a condenação do indiciado é resultado de uma investigação bem-sucedida realizada pela equipe da DHPP, uma vez que se tratou do julgamento de um homicídio que o corpo não foi localizado, mesmo após dois anos do crime.

“Com todo o material coletado, foi possível concluir a investigação de um crime contra a vida, ainda que não se tenha o corpo ou restos mortais. Foi investigação complexa, mas o aparato tecnológico à disposição da Polícia e as evidências encontradas não impedem a responsabilização do investigado”.

Investigações

Após o desaparecimento de Lucimar, em maio de 2020, a mãe dela procurou a Polícia Civil em agosto para informar que não tinha mais notícias da filha, que não ficava um tempo tão longo sem contato, e o celular estava desligado.

A mãe informou ainda, na época do registro do desaparecimento, que foi até a residência de Lucimar e encontrou a casa e o carro com aspectos de abandono.

A partir da ocorrência registrada no Núcleo de Pessoas Desaparecidas da DHPP, a Polícia Civil iniciou as buscas pelo paradeiro da vítima, sendo instaurado inquérito cuja principal linha de investigação levou ao namorado com quem ela manteve um relacionamento conturbado.

Pouco menos de um mês antes de Lucimar desaparecer, o investigado foi preso por violência doméstica praticada contra ela e passou a ser monitorado por tornozeleira eletrônica.

 

PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E FIQUE BEM-INFORMADO (NOTÍCIAS, VAGA DE EMPREGO, UTILIDADE PÚBLICA) – CLIQUE AQUI

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

FONTEJOÃO AGUIAR DO REPÓRTER MT
Artigo anteriorHomem é assassinado a tiros na frente do pai em Sorriso
Próximo artigoEm Nova Mutum: Moto abandonada e capsulas de arma de fogo são encontradas pela PM após denúncia de troca de tiros