Agricultura familiar é responsável por 77% dos estabelecimentos rurais do Brasil

Por ano, cerca de R$107 bilhões de reais em receita são produzidos nesse ramo

A agricultura familiar no Brasil ocupa apenas 23% das áreas cultivadas no campo, mas representa 77% das propriedades rurais, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Por ano, cerca de R$107 bilhões de reais em receita são produzidos nesse ramo. Essas famílias, que muitas vezes estão na mesma propriedade há gerações, são as principais responsáveis pela alimentação dos brasileiros, já que concentram a produção que abastece o mercado interno do país.

 

CURTA NOSSA FANPAGE NO FACEBOOK – CLIQUE AQUI

Uma das principais dificuldades que as famílias enfrentam é no escoamento da produção. É o que conta o proprietário da Hortaliças Aguena, Éder Tsunezo Aguena, de 58 anos. “A comercialização hoje é um fator que determina o sucesso da nossa empresa”. A Aguena possui 45 funcionários e existe desde a década de 30, quando os avós de Éder migraram do Japão para o Brasil.

Primeiro, investiram em café, passaram por outros tipos de cultivo e nos anos 80 decidiram trabalhar com uma variedade de hortaliças folhosas. Fornecedora dos mercados Comper e Fort Atacadista, Aguena diz que a parceria estimula projetos a longo prazo. “Graças a Deus, temos um parceiro como o grupo Pereira que nos dá confiança de investir em produção e qualidade”, afirma o produtor.

“Ter fornecedores confiáveis é fundamental para o sucesso de um estabelecimento”, afirma Simone Cotta Cardoso, gerente nacional de comunicação corporativa e ESG do Grupo Pereira. “Valorizamos produtos vindos de fornecedores locais por acreditar que o retorno para a sociedade é o mais alto possível, já que o valor gerado fica dentro da comunidade local, além de poder ofertar sempre o melhor em nossas gôndolas”, enfatiza.

Negócio familiar

Abastecedor do Fort e do Comper há 30 anos, a Bananas Pereira também sabe o que é ver o negócio da família crescer com apoio e sustentabilidade. “Eu sou a terceira geração à frente da empresa, que começou humilde, com meu avô, na cidade de São Paulo, em 1954. Hoje temos mais de 100 funcionários e produzimos 3500 toneladas por ano”, lembra Lucas Martines dos Santos Pereira, de 35 anos.

Lucas avalia que a cautela é a aliada mais valiosa de uma família envolvida no agronegócio. “Primeiro, é necessário analisar a viabilidade comercial do item a ser produzido, bem como compreender se a região escolhida para a produção é a mais adequada, levando em conta as necessidades de desenvolvimento de cada produto”, explica ele.

“Não  adianta querer produzir determinados itens em regiões sujeitas a geada, por exemplo. Alguns frutos possuem seu ciclo de desenvolvimento maior que um ano, atravessando as 4 estações, e consequentemente, sofrem com as baixas temperaturas, podendo até ter perdas de 100% da área cultivada”, complementa.

Mudança de cenário

Responsável por empregar mais de 10 milhões de pessoas, que representam 67% das pessoas ocupadas no meio rural, a agricultura familiar passa por um período de dificuldade em encontrar mão de obra.
O êxodo rural, até mesmo dentro da família, a mecanização do trabalho e a instabilidade econômica do país, com o aumento dos custos de produção, ajudam a explicar a redução de quase 10% no número de estabelecimentos rurais na última década, de acordo com o censo do IBGE. Mas quem persevera garante: o esforço compensa.
“Em nosso ramo há muitos altos e baixos. Procure sempre trabalhar com dedicação, pensando em entregar o melhor produto aos consumidores, que você estará no caminho certo”, aconselha Éder.
PARTICIPE DO NOSSO GRUPO NO WHATSAPP E FIQUE BEM-INFORMADO (NOTÍCIAS, VAGA DE EMPREGO, UTILIDADE PÚBLICA) – CLIQUE AQUI

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

FONTE(Com informações da Assessoria)
Artigo anteriorGaeco deflagra operação para apurar fraudes na Secretaria de Saúde de Sorriso
Próximo artigoJovem de 24 anos, é preso por matar idoso de 78 anos por ciúmes da namorada